Thursday, April 23, 2009

e não dizemos nada...

Na primeira noite, eles aproximam-se
e colhem uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.

Na segunda noite, já não se escondem,
pisam as flores, matam o nosso cão.
E não dizemos nada.

Até que um dia, o mais frágil deles, entra
sozinho em nossa casa, souba-nos a lua,
e, conhecendo o nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.

E porque não dissemos nada,
já não podemos dizer nada.

Maiakovski (1893-1930)


Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro
Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário
Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável
Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho o meu emprego
Também não me importei
Agora estão a levar-me
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.

Bertold Brecht (1898-1956)


Thursday, April 09, 2009

o ser humano tem coisas que não lembra aos animais...

O Banco Alimentar contra a Fome, fazendo-se representar por um advogado, enviou um aviso ao Banco Alimentar Animal para que este mude o seu logotipo e designação, pois esta situação poderá ofender milhares de dadores e voluntários da Banco Alimentar contra a Fome, uma vez que cria a ideia de que "a contribuição e ajuda das pessoas mais carenciadas se poderá equiparar ao apoio a animais, o que não é aceitável."

Se eu até poderia compreender que a nível de marketing e publicidade pudesse ser inconveniente ao Banco Alimentar contra a Fome ser confundido com outra instituição, basear também essa exigência na legitimade maior ou menor das pessoas/animais é incompreensível.

Costuma vir-me à mente muitas vezes esta frase: o ser humano transporta-se a si próprio em tudo aquilo que faz; é por isso que nestas instituições/associações se originam tantos debates e quezílias. Ninguém deixa de ser quem é por pertencer a uma instituição de solidariedade social, pelo contrário, por vezes serve-lhe para exacerbar egos.

Não é esse o objectivo, nem o factor primário. Pena que se continue a verificar.

Felizmente há outros tantos que o fazem de coração. É com esses que estou disposta a trabalhar. Prefiro a ajuda anónima e desinteressada. Nessa tenho a certeza que vem o sentimento que nos preenche.