Saturday, April 26, 2008

a morte choca-me sempre

a morte choca-me sempre. sobretudo uma morte não esperada. aliás, a morte choca-nos a quase todos. por razões diferentes talvez. desde o desconhecido ao sentimento de perda por alguém que nos é querido. não era este o caso. conhecia-o apenas de passagem. um miúdo que se suicidou com um tiro na cabeça. e acabou. assim se acaba. morrendo.

ou talvez se renasça.

Friday, April 11, 2008

Revisitando Torga - I

.


fOTO: Manuela D. L. Ramos - http://dias-com-arvores.blogspot.com/



S. Martinho de Anta, 5 de Março de 1934

Como a gente se perde! A linguagem que o meu sangue entende - é esta. A comida que o meu estômago deseja - é esta. O chão que os meus pés sabem pisar - é este. E, contudo, eu não sou já daqui. Pareço uma destas árvores que se transplantam, que têm má saúde no país novo, mas que morrem se voltam à terra natal.

Miguel Torga, Diário I

Wednesday, April 09, 2008

Retrato Talvez Saudoso da Menina Insular

Tinha o tamanho da praia
o corpo era de areia.
E ele próprio era o início
do mar que o continuava.
Destino de água salgada
principiado na veia.

E quando as mãos se estenderam
a todo o seu comprimento
e quando os olhos desceram
a toda a sua fundura
teve o sinal que anuncia
o sonho da criatura.

Largou o sonho nos barcos
que dos seus dedos partiam
que dos seus dedos paisagens
países antecediam.

E quando o seu corpo se ergueu
Voltado para o desengano
só ficou tranquilidade
na linha daquele além.
Guardada na claridade
do olhar que a retém.

Natália Correia, Retrato Talvez Saudoso da Menina Insular