Monday, June 04, 2007

In Loco - José Martins Garcia

.
Foto: Pico (autor ?)
surpreende-me a proximidade
das pedras dos bichos e das fábulas
ao passo que os humanos bolorecem jovens
idênticos a intemporais naufrágios

ilha de quem? de quê? de que basalto ou névoa?
borbulha só da minha consciência?
e o Canadá e a Califórnia e o Massachusetts
que demónios açóricos poderão preservar?

oh lendas de baleias e veleiros e terras novas
oh parentes hoje sem identidade
spikando entre arrotos de vera ou ficta abundância
seus novos mares ilusórios!

eu vos lamento e rio e em português me choro
mais uma vez negando a condição da bruma
hoje efectiva material e des-sonhada
mortalha entre o Pico e o Faial

surpreende-me a existência de coisas como ilhas
depois de haverem sido textos meus
surpreende-me a nuvem esmagante
depois de me ter sido vocalismo errante

surpreendo-me eu próprio ao mastigar palavras
em português no meio do Atlântico sem Atlântida
e surpreende-me que os mortos não ressurjam
não compareçam ectoplasmas de sargaço
no fumo do meu charuto talvez americano

versos de quem? de que ilusão linguística?
e que laço vos laça e que fome vos lança
do entardecer ilhéu à banal brisa?

oh Betefete oh Fall River oh Braga Bridge
oh fealdade dos topónimos quando burgos
sonantes
oh fealdade efectiva das pedras picarotas
que avistadas de Newport são legiões heróicas
e grandiosos corsários
e arpões fantasmáticos
e aqui fisicamente são o canal da tristeza
entre o meu ser pardacento
e o murmúrio do longe
silencioso sonho que a geografia esmigalha
José Martins Garcia
(enviado por Olegário Paz)

1 comment:

Horacio said...

Essa foto correu na net. Está mesmo linda.
Os poemas do teu blog também estão bem escolhidos.
Não escreves???