Thursday, May 31, 2007

Junho - José Henrique Santos Barros

.
Foto: Carlos Bettencourt in http://clubezoom.blogspot.com/


Em Junho cantávamos a ilha.


O Verão espreitava pelos calções que molhávamos na praia suja e pelas riscas vermelhas das blusas das raparigas virgens.


Sobrevivência de terramotos, gatos mortos para o enterro das marés puras. Embalávamos o barco de borracha (dos americanos, claro) apoitado no arquipélago, que não imaginávamos como ilhas incomunicáveis. Tu dizias alto: «Somos piratas» e a nossa missão civilizadora desenvolvia-se entre os polvos que temíamos e os caranguejos que picavam mas nem por isso assustavam.


Difícil era entrar por dentro do tufo coberto de água, que nos cobria até à cintura. Chegados a meio, temente do equilíbrio conquistado, mijar clandestinamente era o maior prazer da meia viagem (...). Prosseguir, subir a uma pequena escada, depois de beber o sal por todos os poros e então pescar à linha, pelos joelhos segurando a invasão das marés e, mãos fechadas, segurar firme o cabo que nos ligava ao fundo onde se projectava o querer abismal da boca de um peixe de tamanho impossível.



José Henrique Santos Barros in Testes e Versos para Andar na Rua, 1973.

1 comment:

Jose Augusto Soares said...

Excelente texto que não conhecia.
Recuei décadas...e valeu a pena!