Wednesday, March 07, 2007

Acho tão natural...

Acho tão natural que não se pense
Que me ponho a rir às vezes, sozinho,
Não sei bem de quê, mas é de qualquer cousa
Que tem que ver com haver gente que pensa...

Que pensará o meu muro da minha sombra?
Pergunto-me às vezes isto até dar por mim
A perguntar-me cousas...
E então desagrado-me, e incomodo-me
Como se desse por mim com um pé dormente...

Que pensará isto de aquilo?
Nada pensa nada.
Terá a terra consciência das pedas e plantas que tem?
Se ela a tiver, que a tenha...
Que me importa isso a mim?
Se eu pensasse nessas cousas,
Deixaria de ver as árvores e as plantas
E deixava de ver a Terra,
Para ver só os meus pensamentos...
Entristecia e ficava às escuras.
E assim, sem pensar tenho a Terra e o Céu.

Alberto Caeiro

.
I find it so natural not to think
I start to laugh sometimes, all alone,
I don’t really know why, but it’s about something
To do with knowing there are people who think...

What is my wall thinking about my shadow?
I ask myself this sometimes until I notice
I’m asking myself things...
And then I get mad at myself, and feel uncomfortable
Like when my foot falls asleep...

What does this think about that?
Nothing thinks about anything.
Does the earth have consciousness of its stones and plants?
If it did, it would be people. . .
Why am I worrying about this?
If I think about these things,
I’ll stop seeing trees and plants
And stop seeing the Earth
For only seeing my thoughts...
I’ll get unhappy and stay in the dark.
And so, without thinking, I have the Earth and the Sky.

2 comments:

vemio said...

Minha inestimável amiga, giro, oportuno, muito bem começado. Como terá dito (a mesmíssima) Cecília Meireles, tu cantas porque o instante existe e a tua vida está completa. Não és alegre nem trsite: és poeta (a Partir de "Motivo" de CM).
Com estima, Vemio

marta dutra said...

obrigado, meu amigo. um abraço ao teu encontro.